Robôs Criam Pânico em Wall Street

2:41 pm Inteligência Artificial, Internet

Nessa segunda-feira, dia 8/9, o preço das ações da United Airlinas despencou de US$12,50 para US$3,00 nas bolsas de valores americanas, em apenas 15 minutos. A negociação das ações foi suspensa temporariamente. Tudo isso por causa de um rumor infundado de que a empresa estaria entrando em processo de concordata. O preço das ações voltou ao normal depois que ficou claro que o rumor era falso.

O que aconteceu? Uma combinação de problemas de “burrice artificial” e, claro, a boa e velha burrice natural. A United Airlines realmente entrou em concordata uma vez, mas isso foi em 2002, e isso foi amplamente noticiado pelos jornais.

Pois bem, essa notícia, de dezembro de 2002, de alguma forma apareceu na lista de notícias mais visitadas do site do Chicago Tribune na noite do dia 6/9. Aparentemente, de acordo com o Wall St. Journal, só uma pessoa visitou a notícia, mas o fez durante um período de tráfego muito baixo (afinal era sábado à noite), durante o qual uma visita era o suficiente para colocar a notícia velha entre as cinco mais populares. Burrice artificial número um.

Alguns minutos depois, o robô do Google News fez sua visita periódica ao site do Chicago Tribune, e viu um link que não estava lá antes. A notícia foi baixada mas, como não tinha data, o Google News assumiu a data do dia, que estava no cabeçalho da página que linkava para a notícia antiga. Já era madrugada do dia 7. A notícia foi parar no Google News, sem nenhuma indicação de sua data original de publicação. Burrice artificial número dois.

Aqui entra a burrice natural. A Bloomberg, além daquele canal de TV a cabo com a pior aparência de todos os tempos, também oferece um serviço de notícias em tempo real (com aparência um pouco melhor que a do canal de TV), que é acompanhado por todo mundo no mercado financeiro americano. Algum analista financeiro imbecil viu a notícia e a passou para a Bloomberg. Burrice natural.

Na manhã de segunda feira, mais ou menos uma hora depois que o mercado tinha aberto, a famigerada notícia foi divulgada pela Bloomberg. Hoje em dia há uma grande quantidade de sistemas que “interpretam” o conteúdo das manchetes da Bloomberg e negociam ações com base nessa interpretação. Tudo automatizado. E tem que ser automatizado, porque o tempo de reação é que permite que esse tipo de operação dê lucro: o sistema tem que processar as manchetes, decidir o que fazer e operar antes que os analistas humanos tenham terminado de ler a notícia e tomado suas decisões. Bom, esses sistemas todos concluíram a mesma coisa, venderam tudo que tinham de ações da United Airlines e mais um pouco, e o preço foi pro brejo.

E aí? Esse último foi burrice artificial? A decisão dos sistemas foi correta, dada a informação disponível. Como os sistemas poderiam saber que a notícia era de 2002? Será que não foi burrice natural a falta de alguma salvaguarda?

Eu não sei responder essas perguntas acima, mas sei que essa história mostra o risco que investidores correm hoje em dia porque computadores movimentam um enorme volume de dinheiro nas bolsas sem supervisão cuidadosa de humanos. E esses computadores não estão preparados para lidar com entradas ruins desse tipo. Claro, a velha máxima ainda vale: inteligência artificial não é páreo para burrice natural…

3 Respostas
  1. Lúcio :

    Date: setembro 12, 2008 @ 3:19 pm

    Eu gosto da formatação do canal da Bloomberg, seu insensível! :)

  2. Ricardo Niederberger Cabral :

    Date: setembro 13, 2008 @ 4:54 pm

    interessante mas parece um post de ficção. Senti falta de referencias a fontes sólidas.

  3. Cassio Pennachin :

    Date: setembro 15, 2008 @ 4:46 pm