“Serve o vinho celeste, Ganymede”

10:08 am Desenvolvimento

Jupiter: …”Pour forth heaven’s wine, Idaean Ganymede, And let it fill the Daedal cups like fire.” Percy Bysshe Shelley, Prometheus Unbound

Na mitologia grega, Ganimedes era um príncipe troiano, filho de Tros, cuja beleza arrebatou Zeus (ou Júpiter na mitologia romana) de tal forma que ele mandou uma águia (ou se transformou em uma, dependendo da versão) para raptá-lo e levá-lo para o Olimpo. Lá, tornou-se um dos amantes de Zeus e copeiro dos deuses. Ganimedes também é a maior lua de Júpiter e a maior do sistema solar e foi a terceira descoberta por Galileu Galilei.

Agora, além desses significados, Ganymede (Ganimedes em inglês) também denomina a nova versão anual dos projetos da Eclipse Foundation lançada ontem, dia 25 de junho. Precedida por Europa e Callisto, ela é uma coleção de 23 projetos distintos, cujas novas versões são lançadas de forma coordenada, para evitar incompatibilidades entre eles e facilitar a vida dos usuários.

Apesar do Eclipse poder ser usado para o desenvolvimento em C, C++, Ruby e Python, o lançamento dessa nova versão é particularmente relevante para a comunidade de desenvolvimento Java, posto que o Eclipse tornou-se uma das IDEs mais utilizadas pelos desenvolvedores dessa linguagem. Algumas mudanças mais visíveis estão na IDE, como melhorias na área de assistência de contexto (as teclas Ctrl+Espaço), novos tipos de refactoring, uma nova interface para atualização de plugins, dentre outras novidades além de correções de bugs da versão anterior. Porém, há atualizações igualmente interessantes em outras áreas, como as novas versões da ferramenta de relatório BIRT e do Mylyn, um plugin de interface focada em tarefas (task-focused interface) e que faz integração entre a IDE e ferramentas de rastreamento de issues como o Bugzilla e o Trac, e novas adições como o Rich Ajax Platform (RAP), que permite a construção de aplicações Web baseadas em AJAX usando o mesmo modelo de desenvolvimento de aplicações RCP. Porém, nem tudo são flores: o suporte nativo ao sistema de controle de versão Subversion, outra adição bastante esperada, não está totalmente “transparente” como o do CVS. Para ativá-lo, é necessário que o usuário faça o download de componentes localizados em servidores fora da Eclipse Foundation, sendo que um deles possui versão compilada apenas para Win32 (no caso o conector JavaHL).

Para aqueles que querem instalar a nova versão, basta visitar o site do Eclipse Ganymede, onde também se encontra a lista com as mudanças ocorridas. E “deixa-o encher as taças como fogo”. :-D

Paulo Ferreira de Moura Junior, é arquiteto de sistemas com passagem em empresas como a Borland do Brasil e Vetta Technologies. Bacharel em Ciência da Computação pela UFMG, trabalha atualmente na Geolabs.